Olhar Jurídico

Sábado, 15 de dezembro de 2018

Notícias / Criminal

Justiça nega novo pedido de revogação de Dr. Bumbum por falta de embasamento

Da Redação - Vinicius Mendes

06 Dez 2018 - 09:56

Foto: Reprodução

Justiça nega novo pedido de revogação de Dr. Bumbum por falta de embasamento
O juiz Bruno Arthur Mazza Vaccari Machado Manfrenatti, do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro, negou um novo pedido de revogação da prisão do médico Denis Cesar Barros Furtado, conhecido como Dr. Bumbum, que foi denunciado pelo homicídio qualificado da bancária mato-grossense Lilian Calixto, que morreu em 15 de julho, após uma operação estética.

A decisão é do último dia 30 de novembro e o magistrado não viu embasamento para determinar a soltura. O pedido anterior havia sido negado em uma decisão do dia 23 de novembro.
 
Leia mais:
Após 4 meses de morte de bancária, Justiça marca audiência de Dr. Bumbum e nega liberdade
 
A defesa do médico pediu que fosse reconsiderada a decretação da prisão preventiva e, sobre o pedido, o Ministério Público se manifestou contrário. O magistrado analisou as alegações trazidas pelos advogados do Dr. Bumbum e constatou que não foram apresentados pressupostos suficientes para autorizar a liberdade provisória.

Além disso, o juiz levou em conta que há uma Audiência de Instrução e Julgamento marcada para uma data próxima, dia 11 de dezembro, e que já há uma ação de Habeas Corpus tramitando na 7ª Câmara Criminal do Rio de Janeiro.

“Ademais, imperioso observar que a prova da existência do crime e os indícios suficientes de autoria já restaram sobejamente expostos, conforme fundamentado pela decisão que decretou a prisão”, afirmou o magistrado.

Por considerar que a defesa não apresentou qualquer alteração das situações que justificaram a prisão, o juiz então, na decisão do último dia 30, indeferiu o pedido de revogação da prisão preventiva do Dr. Bumbum.
 
O caso
 
Segundo fontes ouvidas pelo Olhar Direto, Lilian teria ido para o Rio de Janeiro fazer um preenchimento de glúteo com PMMA, no dia 14 de julho, pela manhã. Primeiramente, a cirurgia estaria marcada para acontecer em Brasília, mas foi transferida em cima da hora para o Rio. Ela trocou a passagem e foi.
 
No sábado, após o procedimento, Lilian chegou a sair do local onde foi atendida para ir jantar. Logo depois, começou a passar mal e foi hospitalizada e sofreu um mal súbito. A hora da morte foi registrada às 2h da madrugada. No entanto, o Hospital teria ligado para o telefone do responsável – uma amiga, a única que sabia que ela faria o procedimento – só doze horas depois, às 14h do dia 15 de julho.
 
Lilian foi gerente do antigo HSBC e estava, agora, à frente das contas do banco Bradesco. Natural de Barra do Bugres, ela era muito conhecida na capital. Ela deixa dois filhos. Um rapaz de 25 anos, e uma menina de 13, além do marido
 
O Conselho Regional de Medicina (Cremerj) abriu procedimento para apurar o caso. Famoso nas redes sociais, o médico possui mais de 600 mil seguidores e ofertava procedimentos de estética no Rio, em São Paulo e em Brasília. Nas redes sociais, ele é conhecido como 'Doutor Bumbum', em alusão aos procedimentos que realizava.

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

Sitevip Internet